Notícias

Artistas famosos e os melhores arquitetos de todos os tempos

2020-04-15

arquitectos famosos de todos os tempos

Arquitectos famosos - Opinião MJARC arquitectos Porto & Lisboa


Os seguintes arquitetos famosos mudaram a maneira como pensamos sobre edifícios, de Frank Lloyd Wright a Álvaro Siza Vieira.


A arquitetura sempre se distinguiu de outras formas de arte porque desempenha um papel funcional e estético, oferecendo abrigo,
e em simultâneo moldando nossas experiências diárias. A arquitetura também deixa para trás monumentos para momentos no tempo,
significando em pedra, vidro e aço as várias camadas da história que definem a evolução de um lugar e do homem. “A arquitetura é a
vontade de uma época traduzida no espaço”, disse o notável arquiteto alemão Mies van der Rohe, e não há prova melhor do que a
correta em Nova York, cujos inúmeros edifícios de referência com vistas estupendas compõem nosso horizonte icónico .

Van der Rohe é um dos dezenas de nomes históricos que deixaram sua marca não apenas em Nova York, mas em cidades ao redor do
mundo.


arquitectos famosos internacionais


Frank Lloyd Wright


Natural de Wisconsin, Wright revolucionou o arquiteto do século XX, e sua educação no meio- oeste desempenhou um papel crucial
na formação de sua sensibilidade. Inspirado no edifício baixo que pontilhava as planícies americanas, Wright criou o estilo Prairie
House como uma reação à estética vitoriana predominante, que enfatizava a decoração escura e os enfeites ocupados por dentro e
por fora. Em seu lugar, Wright empregou geometrias limpas, com ênfase em planos horizontais. Seu edifício mais famoso, Falling
Water (uma residência em Bear Run, PA, projetada para o magnata da loja de departamentos de Pittsburg, Edgar Kaufmann
em 1935) apresenta varandas retangulares empilhadas que parecem flutuar sobre a queda de água natural incorporada à casa.

Mais tarde, Wright adotaria elementos curvilíneos, uma mudança que encontrou sua expressão mais célebre no Museu Solomon
R. Guggenheim.
 



Álvaro Siza Vieira


Entre 1949 e 1955, estudou na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde leccionou, de 1966 a 1969, voltando em 1976 (sempre
como professor assistente). Fortemente marcado pelas obras dos arquitetos Adolf Loos, Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto, cedo ele
conseguiu desenvolver a sua própria linguagem, embebida não só nas referências modernistas internacionais como também na forte
tradição construtiva portuguesa, dos quais resultaram obras de grande requinte e detalhe no modernismo português, dos quais se
destaca a Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira. A isto, não é alheio, o relacionamento muito próximo com o arquiteto
Fernando Távora, seu professor, e uma das principais referências da Escola do Porto, com quem colaborou de 1955 a 1958,
desenvolvendo posteriormente forte amizade e cumplicidade criativa.

Prédio Bonjour Tristesse, em Berlim.

Criou verdadeiros marcos na história da arquitetura portuguesa e internacional, influenciando várias gerações de arquitetos. Vejam-se as
Piscinas de Marés, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, a igreja de Marco de Canaveses, ou mais recentemente, o museu para
a Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, no Brasil, onde retorna a umas das suas mais fortes influências de linguagem arquitetónica,
Le Corbusier. E este será o principal talento de Siza - conseguir reinterpretar ou mesmo se redesenhar, procurando uma linguagem
que, até então, tinha vindo a mostrar em alguns apontamentos de obras recentes complexidade formal aliada a uma aparente simplicidade
do desenho.

As suas obras encontram-se por todo o mundo, da América à Ásia, passando por países como Portugal, Espanha, Países Baixos, Bélgica,
Brasil, Coreia do Sul, Estados Unidos, entre outros. Nos Países Baixos, dirigiu, de 1985 a 1989, o Plano de Recuperação da Zona 5 de
Schilderswijk, em Haia; em 1995, concluiu o projeto para os blocos 6-7-8 de Ceramique Terrein, em Maastricht. É autor do plano de
reconstrução da zona do Chiado, em Lisboa, destruído por um incêndio em 1988. Elaborou, em Espanha, o projeto para o Centro
Meteorológico da Villa Olimpica em Barcelona; o do Centro Galego de Arte Contemporânea, o da Faculdade de Ciências da Informação,
em Santiago de Compostela, e também na Galiza o de um pavilhão polidesportivo na Ilha de Arousa e o do Café Moderno em Pontevedra;
a reitoria da Universidade de Alicante; o Edifício Zaida, em Granada; e o Complexo Desportivo Ribero Serralo, em Cornellà de Llobregat.

O edifício da Fundação Nadir Afonso é uma síntese do trabalho arquitetónico de Álvaro Siza, com características muito próprias, como a
construção se erguer sobre lâminas e a entrada ser feita por rampa. Foi ainda professor visitante na Escola Politécnica Federal de Lausana,
na Universidade da Pensilvânia, na Universidade de Los Andes, em Bogotá, e na Universidade Harvard.


museu paula rego arquitetura


Eduardo Souto de Moura

Licenciado em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto, Arquitecto com uma notável carreira nacional e internacional,
Eduardo Souto de Moura iniciou a sua carreira colaborando no atelier de Álvaro Siza Vieira. Em 1981, recém-formado, surpreendeu a
comunidade dos arquitetos vencendo o concurso para o importante projeto do Centro Cultural da Secretaria de Estado da Cultura no
Porto (1981-1991) que o viria a lançar, dentro e fora de Portugal, como um dos mais importantes arquitetos da nova geração.

O seu reconhecimento internacional viria a reforçar-se com a conquista do primeiro lugar no concurso para o projeto de um hotel na
zona histórica de Salzburgo, na Áustria, em 1987. Casou em Matosinhos com a também Arquiteta Maria Luísa Marinho Leite Penha, da
qual tem três filhas: Maria Luísa Penha Souto de Moura (Porto, 1982), Licenciada em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da
Universidade do Porto, que de Carlos Passarinho tem uma filha natural, Maria José Souto de Moura Passarinho, Maria da Paz Penha Souto
de Moura (Porto), Licenciada em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem D. Ana Guedes, e Maria Eduarda Penha Souto de Moura
(Porto, 27 de Setembro de 1990), Licenciada em Arquitectura. Trabalhou com Álvaro Siza Vieira, mas cedo criou o seu próprio espaço de trabalho.

Souto Moura, influenciado pela horizontalidade das linhas condutoras de Mies van der Rohe, tem nas casas o seu grande espólio de obras. É
um dos expoentes máximos da chamada Escola do Porto.

obras de arquitectura


Carrilho da Graça

Licenciou-se em Arquitetura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa em 1977 e, desde então, dirige o seu próprio atelier. Foi assistente
na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa entre 1977 e 1992, onde lecionou, alternadamente, a cadeira de projeto do
primeiro e do último ano curricular.

A 9 de julho de 1999, foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Mérito. É Professor convidado no Departamento de
Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa desde 2001 e no Departamento de Arquitetura da Universidade de Évora desde 2005. Foi
também Professor convidado na Escuela de Arquitectura da Universidade de Navarra entre
2007 e 2010.

Foi professor convidado para seminários e conferências sobre o seu trabalho em diversas universidades, nomeadamente em Barcelona,
Sevilha, Lisboa, Roma, Milão, Turim, Verona, Cidade do México, Viena, Aachen (Alemanha) e Porto. A 18 de abril de 2019, foi agraciado
com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública.


Norman Foster

Reverenciado como um dos principais nomes da arquitetura high-tech, o britânico Norman Foster construiu sua reputação ao longo de
mais de 4 décadas de trabalhos, utilizando o aço e o vidro em construções contemporâneas tirando partido da iluminação natural de forma
criativa e ousada.

Um admirador da obra de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier, o arquiteto britânico Norman Foster trabalhou
no início da carreira como associado de Buckminster Fuller, o notável visionário e inventor da cúpula geodésica. O padrão de formas
triangulares em mosaico desse último deve ter impressionado o jovem Foster, já que seus edifícios mais famosos apresentam tratamentos
de superfície semelhantes para suas fachadas.

Anexo A: 30 St Mary Axe em Londres, também conhecido como The Gerkin, um arranha-céu comercial no distrito financeiro de Londres
que foi inaugurado em 2004. Sua forma de picles diminuindo até um ponto se tornou um ícone internacional, tão sinônimo de Londres quanto a
Torre Eiffel. com Paris.

Mais recentemente, Foster trabalhou em parceria com Steve Jobs para o projeto do impressionante Apple Park, um edifício em formato de anel
em Cupertino, Califórnia, que é a sede global da Apple desde 2017. Com apenas 4 andares acima do solo e 3 subterrâneos, o Apple Park é um
extenso círculo que ocupa uma área de 260.000m². As paredes são todas de vidro e o prédio é integrado a vegetação local, com um parque de
12 hectares no seu centro.Inaugurada no mesmo ano do Apple Park, a estação de Metrô da Universidade de York, no Canadá, é outro projeto
recente da Foster + Partners, uma construção em formato de bumerangue com janelas imensas de vidro que aproveitam a iluminação do sol ao
mesmo tempo em que os seus ocupantes se protegem do frio e da neve no exterior.

Ao longo dos anos, Foster foi reconhecido em diversos prémios, como a medalha de ouro do Instituto Americano de Arquitetos (AIA), o
Prêmio Stirling de 1998 pelo Museu Imperial de Guerra na Inglaterra, o desejado Pritzker em 1999, o Aga Khan de arquitetura na Malásia e o
prémio de arte Princesa das Astúrias em 2007 na Espanha, entre outros..


O novo museu está de boa saúde, recomenda-se e o antigo continua lá no sítio dele, visitável como se quer.

Richard Rogers

Richard Rogers, arquiteto britânico nascido na Itália conhecido pelo que descreveu como celebrar os componentes da estrutura. Sua abordagem
de alta tecnologia é mais evidente no Pompidou Centre (1971-1977) em Paris, que ele projetou com o arquiteto italiano Renzo Piano. Rogers estudou
na Architectural Association em Londres (1954-1959) e na Universidade de Yale (1961-1962).

Quando o Centro Pompidou foi inaugurado em 1977, era considerado o epítome de uma tendência conhecida na época como Alta Tecnologia
e Expressionismo Estrutural. O arquiteto britânico Richard Rogers foi um dos principais defensores do estilo. Este edifício, projetado como a
instituição central de Paris para a arte moderna e contemporânea, sugere uma estrutura virada do avesso, com seus sistemas de aquecimento
e encanamento usados ​​como fachada - que também possui uma escada rolante externa de vidro que sobe a altura do edifício. Rogers adotou uma
abordagem semelhante para outro de seus edifícios emblemáticos, a sede do Lloyd de Londres.

A obra Pompidou e Lloyds ganharam a atenção mundial de Rogers tendo projectado o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (1989–95) em
Estrasburgo, França; a sede de televisão do Channel 4 (1991-1994) em Londres; 88 Wood Street (1994-1999), um escritório de desenvolvimento
em Londres; e o edifício Daimler Chrysler (1993–99) na revitalizada Potsdamer Platz, Berlim. O trabalho de Rogers alcançou seu maior público quando
ele projetou o Millennium Dome (1996–99) em Greenwich, Inglaterra.

Entre os trabalhos posteriores de Rogers está o Terminal 4 (2005) no Aeroporto Internacional de Madrid Barajas; a estrutura, que ganhou o
Prêmio Stirling do Instituto Real de Arquitetos Britânicos em 2006, possui um teto ondulado e é conhecida pelo uso da luz.Rogers recebeu
vários outros prêmios, incluindo o prêmio Praemium Imperiale da Japan Art Association em 2000 e o Prêmio Pritzker em 2007. Em 1995, ele se
tornou o primeiro arquiteto a entregar a BBC Reith Lectures anual da BBC, uma série de palestras de rádio; estes foram publicados posteriormente
como Cities for a Small Planet (1997). Rogers foi cavaleiro em 1991.

arquitetura no mundo



Zaha Hadid

Zaha Hadid nasceu em Bagdá, Iraque, numa família iraquiana de classe alta. Uma vez, Hadid mencionou em uma entrevista como suas
viagens de primeira infância às antigas cidades sumérias no sul do Iraque despertaram seu interesse pela arquitetura. Na década de 1960, Hadid
frequentou escolas internas na Inglaterra e na Suíça.

Uma das poucas mulheres que alcançou o nível de arquiteto estelar - e a primeira a ganhar a versão do Oscar de arquitetura, o Prêmio
Pritzker - Zaha Hadid (1950–2016) era conhecida por projetos futuristas que empregavam linhas curvas e curvas, mais adequadas. Para UFOs do que
edifícios. Nascida em uma rica família iraquiana em Bagdá e educada no Reino Unido (onde a rainha mais tarde a tornaria uma dama, a forma
feminina de morar na cavalaria), Hadid jogou fora o livro de regras, evitando a geometria linear normalmente empregada pelos arquitetos
para uma obra de arte. O estilo expressionista que muitas vezes parecia aludir à forma feminina - embora não intencionalmente, segundo a
própria Hadid: quando seu design para um estádio no Catar foi comparado a uma vagina, ela descartou o comentário como embaraçoso e ridículo

Sua reputação internacional foi bastante aprimorada em 1988, quando ela foi escolhida para mostrar seus desenhos e pinturas como uma
das sete arquitetas escolhidas para participar da exposição "Desconstrutivismo em Arquitetura, com curadoria de Philip Johnson e Mark
Wigley no Museu de Arte Moderna de Nova York. Isso, uma conferência na Tate em Londres e alguns artigos escritos sobre ela começaram a
não apenas divulgar seu nome no mundo da arquitetura, mas permitiram que as pessoas associassem um estilo particular de arquitetura a
Hadid.

Zaha Hadid completaria este ano 69 anos e sua carreira seguiu uma trajetória meteórica, com muitas importantes obras construídas e em fase
de projeto em todo o mundo. O trabalho do seu escritório sempre procurou expandir os limites da arquitetura através de formas contínuas e singulares
que criam contrastes espaciais.

arquitetura em portugal

Rem Koolhaas

Nascido em Roterdão em 1945, Rem Koolhas é um dos arquitetos mais influentes de sua geração, não apenas como projetista de edifícios,
mas também como teórico da arquitetura.

Ele ganhou destaque com a publicação em 1978 de seu livro Delirious New York, uma atração para a cidade e seu papel central na
formação do século 20, tanto económica quanto cultural.

Começou a chamar a atenção do público e da crítica a partir de 1975, quando, juntamente com os arquitetos Madelon Vriesendorp (sua esposa),
Elia Zenghelis e Zoe Zenghelis fundou em Londres, o OMA - Office for Metropolitan Architecture e,  posteriormente, a sua contraparte orientada
para a pesquisa, a AMO, atualmente baseada em Rotterdam. Mais tarde, juntaram- se a eles Zaha Hadid, uma das alunas de Koolhaas, e outros
parceiros como a Columbia Laboratory for Architectural Broadcasting

Um dos primeiros trabalhos que iria marcar a diferença do grupo do então dominante classicismo pós-moderno" do final dos anos 1970,
foi a contribuição para a Bienal de Veneza de 1980, sob a curadoria de Paolo Portoghesi, denominada Presença do Passado. Cada arquiteto tinha
que projetar uma rua interna típica para uma vila de Potemkin - uma espécie de vila cenográfica - e o esquema do OMA foi a única proposta modernista.

Outros projetos recebidos com reservas, embora não construídos, incluem a proposta para o Parc de la Villette, em Paris (1982), e a residência do
Presidente da Irlanda (1981). O primeiro grande projeto do OMA a ser construído foi o Kunsthal, em Rotterdam (1992), que expressava uma tentativa
de colocar em prática vários dos achados de Koolhaas, contidos no
seu livro Delirious New York 1978, escrito quando o arquiteto atuava como professor visitante no Institute for Architecture and Urban Studies em
Nova York, dirigido por Peter Eisenman

Casa da Música, Porto, 2005.

No âmbito do OMA e juntamente com Mark Wigley e Ole Bouman, criou, em 2005, a revista Volume Magazine, especializada em arquitetura e design.

Sua produção bibliográfica é extensa, e tem entre diversas obras consideradas relevantes para o pensamento do espaço social posterior à década
de 1960. Koolhaas faz análises do urbanismo da pós-modernidade (ainda sem nome melhor) das formas de co-habitação humana caótica. Para tal,
firma o conceito do JunkSpace, descrevendo uma entrada de check- in em um aeroporto qualquer: uma cena com vidros blindados, paredes com
frisos em gesso, orquídeas indonésias e um estofado de latex chinês. Uma de suas frases mais famosas é Coelho é o novo bife. São leituras
determinantes, especialmente o livro S,M,L,XL , em colaboração com o designer Bruce Mau) e o já citado Delirious New York.

Em 2000, Rem Koolhaas foi laureado com o Prémio Pritzker de Arquitectura. Em 2008 foi incluído pela revista Time entre as 100 pessoas mais
influentes do mundo.

arquitectura

Peter Eisenman

Conhecido mundialmente por utilizar tecnologias de última geração, segundo Castelnou, Eisenman criou o chamado objeto axonométrico que
representa a obra arquitetônica com um nó sintático que revela as formas, mas confunde a mente devido à distorção do ponto de fuga. Sua arquitetura
se caracteriza pelo uso de formas geométricas e orgânicas que se cruzam entre planos e estruturas, onde vigamentos, perfis e superfícies são
rebatidos e cortados.A partir de 1967, começa a fazer diversas pesquisas nos projetos das casas I a XI, experimentando assim diferentes  metodologias
compositivas, das quais a principal, é a trama ou espécie de grade cartesiana, que até hoje utiliza para compor
volumetria e dividir seus espaços.

Para Eisenman, espaço, função e mobiliário devem ser estruturados a partir de um sistema mental coordenado. Desta forma, tornou-se um dos
precursores da arquitetura desconstrutivista, na década de 1980. Foi diretor do IAUS, em Nova York, em um período onde trabalhou junto com Rem Koolhaas.

Shigeru Ban

arquitectura mundial

Shigeru Ban, nascido em 5 de agosto de 1957, é um arquiteto japonês vencedor do Prêmio Pritzker 2014 por sua significativa contribuição
às inovações na arquitetura e filantropia. Sua habilidade de em aplicar conhecimentos convencionais em diferentes contextos resultou uma obra
caracterizada pela sofisticação estrutural e uso de técnicas e materiais pouco convencionais.

Ban tem usado estas inovações não apenas para criar belas arquiteturas, mas como uma ferramenta para ajudar comunidades em situação de
risco, criando soluções residenciais rápidas, econômicas e sustentáveis para pessoas sem teto ou refugiados. Nas palavras do júri do Pritzker de
2014, Shigeru Ban é um arquiteto incansável cuja obra exprime otimismo.